sábado, 24 de dezembro de 2011

Nostálgico eu? Imagina...





"Se você é um conservador até os 30 anos é um idiota, se é um liberal depois dos 30 é um estúpido."












Sabedoria dos antigos, gotas sábias em línguas sedentas, como diz o livro dos livros, é como maças de ouro em salvas de prata.

Nostalgia, é como se cantava antigamente (de novo, os tempos de outrora), em bonitas canções que evocavam o tão longínquo passado, lugar onde repousa a felicidade eterna, congelada em um instante mágico que lembramos em momentos de dificuldade, no árduo presente.

Os Beatles cantaram, que ontem era onde os meus problemas estavam tão longes(Yesterday).

Nossos sucessos ficam cristalizados, como fosseis que resistem ao tempo, em nossas mentes. E nos atacam sem piedade em momento de insucessos.

Ser nostálgico, é nunca perder uma parte do passado, que resiste em não sucumbir ao presente onipotente, é lutar para conservar aquilo que nós trás esperança, é saber que nada pode nós tirar aquilo que fomos, que fizemos.

Nostalgia, não se resume apenas em lembranças visuais, quantas e quantas vezes, não me pego sentindo um cheiro em algum lugar, que me remete, como uma máquina do tempo, ao passado, relembrando algo do passado que era tão bom.

E pode ir além, e penetrar os reinos de Morpheus, alcançando o nosso sono. Este ano tive um sonho, que foi sem dúvida dentre centenas, um dos melhores possíveis. Sonhei que tinha retornado a década de 80, era um garoto de pouco mais de 10 anos. Meu irmão Xracer também estava comigo no sonho, como adolescente. E o melhor de tudo, é que eu sabia que eu era do futuro então eu me deliciava visitando parentes, que hoje estão mortos, lugares que não existem mais. Tudo em preto-e-branco, com um bom filme de cinema mudo.

Como esquecer das tardes, em que eu terminava a tarefa, e ia comer um delicioso bauru assistindo um episódio inédito de Sitio do Pica-Pau amarelo, louco para que o pirlimpimpim funcionasse também fora da TV. Ou um pouco mais tarde assistir o ABBA cantando no globo de Ouro, ou torcer para aquela música linda no festival dos festivais. Talvez aguardar o carteiro passar, pois não tinha emails, era tudo na carta mesmo, trazendo aquele curso super interessante.

Ou talvez relembrar das idas a banca, onde uma profusão de publicações faziam palpitar o meu coração juvenil. Mecânica Popular? humm, que interessante artigo sobre o Atari 2600, ou Divirta-se com a Eletrônica onde tinha mais uma placa de circuito impresso, colada na capa, nos convidando para mais um experimento sci-fi envolvendo saboneteiras e LEDs. Quem sabe a Micro Sistemas, com mais um programa em assembler para quebrar a nossa cabeça.

É difícil aceitar, que como diz o sábio Salomão em Eclesiastes 7:10:

Nunca digas: Por que foram os dias passados melhores do que estes? Porque não provém da sabedoria esta pergunta.

Que o Passado, não existe mais, mora apenas na sua cabeça...




Um comentário:

Michel disse...

Foi uma época maravilhosa. Concordo inteiramente com o que foi postado. Bela época.